News PNGE 9 | humus

Nesta edição do HUMUS News conheceremos as duas últimas práticas vencedoras do PNGE 2018.

As inscrições para a edição de 2019 se encerrarão dia 31/01!
Aproveite para submeter gratuitamente os trabalhos realizados pela sua instituição!

Conheça abaixo um pouco do trabalho do Centro Universitário do Sul de Minas, classificada como bronze, na categoria
Gestão Acadêmica do Ensino Superior no PNGE 2018.

Histórico da Prática Eficaz

 

O Centro Universitário do Sul de Minas – UNIS/MG – possui como valores institucionais a prestabilidade, a excelência e a inovação. Destaca-se em suas ações, a busca pelo atendimento de um de seus propósitos, expresso na missão institucional, que é formar pessoas socialmente responsáveis, contribuindo com o desenvolvimento das regiões em que atua.

 

Assim, já possui em seus cursos de graduação as disciplinas de “Empreendedorismo”, “Criatividade e Inovação”, entre outras que favorecem a disseminação e vivência da cultura empreendedora. Destaca-se que o foco no empreendedorismo começou em 2008, com a inserção das disciplinas mencionadas, contudo, em 2014 a instituição deu um salto qualitativo com a criação do Núcleo de Empreendedorismo do UNIS – NEUNIS, que naquele ano obteve grande êxito no envolvimento dos alunos, participação dos professores e comunidade. Reflexo dessas ações foi o recebimento do prêmio Cultura Empreendedora SEBRAE (2015), sendo eleito o melhor projeto do estado de Minas Gerais. As ações foram crescendo em qualidade e participação nos anos de 2015 e 2016.

Em 2017, o NEUNIS foi totalmente redimensionado, ganhou status de departamento, nascendo assim o Centro de Empreendedorismo Pesquisa e Inovação – CEPI. Tal iniciativa permitiu o “aprender a fazer”, o “aprender a aprender”, a reflexão crítica sobre empreendedorismo, além da pesquisa científica.

O grande objetivo dessa remodelagem é enfrentar o desafio de relacionar teoria e prática, aproximar o empreendedorismo e a inovação para o cotidiano de formação, para a pesquisa e a extensão. Nesse sentido, o UNIS por meio do CEPI demonstrou o que entende por formação contextualizada, uma vez que, formar empreendedores ultrapassa montar um (a) negócio/empresa. O que está por traz é a busca pelo desenvolvimento de alunos críticos e reflexivos, capazes de repensar a própria prática, descobrirem necessidades da comunidade, repensarem a formação, assumirem postura ética e capazes de construir novos espaços para atuação profissional e geração de renda. Por esse viés, nesse mesmo ano, o UNIS foi parceiro estratégico para o desenvolvimento do Ecossistema de Inovação na região em que atua, com destaque para o sul de Minas, sendo o CEPI a “mão” institucional para contribuir de forma legítima para tal fim.

Ao CEPI, portanto, cabe entre outras coisas: I) Proporcionar experiências e ambientes inovadores aos alunos e comunidade contribuindo para a formação de empreendedores (intraempreendedores), que levarão o conhecimento para o desenvolvimento regional; e, II) Criar ambiente propício para a pesquisa acadêmica, com o desafio de incorporar conhecimentos relevantes para solucionar problemas reais.

Dessa forma, o CEPI busca permanentemente se embasar em três eixos, ou seja, o Empreendedorismo, a Pesquisa e a Inovação, todos amparados na formação inicial, continuada, interdisciplinar e multidisciplinar dos diversos atores regionais.

A prática objetivou atuar em formatos variados para criar o ambiente ideal, não apenas para o surgimento de startups, mas para o crescimento de novos negócios. No esquema abaixo demonstramos resumidamente os principais avanços desde 2014:

Atribuições dos Públicos Envolvidos:

 

Professores – engajamento nas ações de divulgação e orientação das equipes inscritas para o Concurso Inova, se capacitar e praticar uma educação empreendedora e realização bem como publicação de pesquisas acadêmicas;

Vice-reitoria – Aporte financeiros e pedagógicos para as ações do CEPI;

Alunos envolvidos: Participação nos eventos de empreendedorismo e pesquisa;

SEBRAE – Parceria na Capacitação e Orientação dos alunos e professores, parceria na realização de eventos.

Gestores e Coordenadores de Curso – Sensibilização para envolvimento dos professores;

Equipe CEPI – Planejamento, Realização e Avaliação de todas as etapas do Projeto. 

 

Resultados alcançados em 2017 (Relação de resultados gerais nos anexos - Tabela 1):

 

  • Grande sensibilização da comunidade acadêmica;

  • Motivação de alunos e professores;

  • Número significativo de alunos e professores envolvidos nas ações e eventos;

  • Participação de 30 professores no Projeto Universidade Empreendedora, ofertado pelo SEBRAE, durante o primeiro semestre;

  • Mobilização da comunidade no planejamento do Ecossistema local de inovação;

  • Participação de 680 alunos na 2ª edição do Concurso Inova Unis;

  • Aumento de publicações de pesquisas científicas em termos qualitativos e quantitativos;

Aumento na participação de público em eventos científicos;

 

Objetivos da Prática Eficaz

O objetivo do desenvolvimento da cultura Empreendedora e de Inovação Regional é educar e desenvolver a próxima geração de empreendedores e pesquisadores do sul de Minas. Todos os elementos que levam ao sucesso dos novos empreendedores e pesquisadores são dependentes do meio em que estão inseridos, ou seja, a “fertilidade” do ecossistema local para gerar inovação depende da existência e articulação de atores importantes: espaços de coworking, aceleradoras, incubadoras, Instituições de Ensino Superior, movimentos comunitários locais, eventos científicos de incentivo e de troca de ideias, investidores e startups.

 

O Centro Universitário reconhece seu papel dentro do ecossistema e assume a responsabilidade de ser um motor para o desenvolvimento econômico regional. O programa está focado em aperfeiçoar as tecnologias resultantes dos programas de pesquisa da universidade com mercados potenciais, formar e integrar capital humano capacitado e participar ativamente da criação de um ambiente favorável ao crescimento de novos negócios.

 

A partir de um mapeamento inicial, realizado em parceria com vários atores da comunidade empreendedora (Coffee Valley[1], Sebrae, instituição de ensino, empresas privadas e órgãos públicos) ficou clara a necessidade de evolução, para que o ecossistema local se torne um ambiente propício para que empreendedores sejam protagonistas da própria jornada, para que Varginha se torne atrativa quando falamos em inovação e que, ao mesmo tempo, os eventos científicos se tornem realidade e tornem-se referência e um ambiente propício para novas descobertas.

 

Como deve ocorrer a criação, operação e interação de um ecossistema de inovação da perspectiva da instituição de ensino?

  1. Promover a prática do planejamento de produtos e serviços inovadores que solucionem problemas reais junto aos universitários do UNIS – MG;

  2. Fortalecimento da pesquisa acadêmica vinculada à demanda das empresas;

  3. Criação de redes de cooperação entre os diversos atores da comunidade empreendedora;

  4. Construir um ambiente favorável e oferecer suporte a startups até atingirem um nível maduro e serem capazes de competir com sucesso;

  5. Vivenciar os valores institucionais de inovação e excelência.

  6. Criação e construção de um ambiente empresarial colaborativo. Foram criados a partir de 2015 conselhos regionais e internacionais com objetivo de fomentar o desenvolvimento de negócios, desenvolvimento e discutir estratégias de inovação. Assim, é estreitado a relação aluno-empresário e, dessa forma, surgem excelentes oportunidades para projetos e pesquisas. Tais conselhos reúnem-se mensalmente.

  1. CESUL - Conselho Empresarial do Sul de Minas Gerais – composto por 60 empresas;

  2. CEZOM – Conselho Empresarial da Zona da Mata – composto por 30 empresas;

  3. Conselho Empresarial Chileno – gerenciado em parceria com a Universidad Bernard O’Higgins;

  4. Conselho Empresarial do Porto – gerenciado em parceria com o Instituto Politécnico do Porto – Portugal;

 

Público Alvo Atingido

 

  • Alunos do UNIS de cursos superiores de graduação e pós-graduação;

  • Professores do Unis;

  • Equipe do Sebrae/MG;

  • Via Café Garden Shopping de Varginha;

  • Comunidade empreendedora de Varginha;

  • Empresários vinculados ao CESUL

 

Para ler o case completo, clique aqui!

O Colégio CIMAN também se destacou no PNGE 2018, obtendo o prêmio bronze do Ensino Básico na categoria: Responsabilidade Social.

Histórico da prática eficaz:

O Colégio CIMAN completa, em 2018, 47 anos de história no Distrito Federal. Nesse percurso, sempre priorizou uma educação em que a comunidade escolar esteja voltada para uma formação completa e humana, em que os conteúdos didáticos sejam peças também fundamentais ao desenvolvimento, mas sem nunca deixar os bons valores humanos de lado. Esse compromisso da escola está expresso em sua missão:

“Oferecer todos os níveis da Educação Básica, com ensino de excelência superior aos padrões consagrados, garantindo a formação intelectual, social e plena de pessoas que participem, de maneira ativa e permanente, da construção de sociedades sustentáveis”.

São esses valores que orientam o discurso e a prática de todos os que compõem a comunidade escolar. Para tanto, a instituição criou, dentro dela, o Núcleo de Ética e Cidadania (NEC), cabendo a ele a promoção de ações que favoreçam a formação de pessoas éticas, que exerçam verdadeiramente sua cidadania, e o desenvolvimento de projetos em prol da sustentabilidade.

O Núcleo de Ética e Cidadania atua juntamente com o Serviço de Orientação Educacional (SOE) na gestão do Projeto Vivendo Valores na Escola (Vive). Trata-se de um projeto “guarda-chuva”, com diferentes ações dentro da escola. Seu objetivo vai da orientação contra o bullying (em suas diferentes formas) até a ação social, a reflexão e as propostas de mudanças na vida e na convivência dos alunos.

Assim, a escola fomenta e executa ações, em todas as etapas de ensino, de forma transversal e multidisciplinar, que focam na formação técnica aliada à autonomia, ao respeito, à ética, à cidadania e à sustentabilidade – tudo para a formação de pessoas capazes de participar ativamente na transformação do mundo, tornando-o cada vez mais justo e sustentável.

Pensando na atuação social e colocando os alunos como protagonistas dela, o CIMAN fomentou, junto aos estudantes dos 9os anos do Ensino Fundamental das duas unidades (CIMAN Octogonal e CIMAN Cruzeiro), a atuação solidária em uma creche da Cidade Estrutural no DF – região administrativa que surgiu do lixão de Brasília e que ainda é conhecida pelas dificuldades financeiras e sociais ali vividas. Assim, os alunos do CIMAN foram convidados a conhecer a Creche Alecrim e a construir lá um projeto de atuação continuada.

Para festejar o Dia da Criança, a Creche Alecrim esteve presente no Colégio CIMAN

Objetivos da prática eficaz:

No âmbito do Projeto Vive, o CIMAN alia a reflexão à atuação social. O principal objetivo é permitir que os estudantes possam “colocar a mão na massa”, participando, porém, de uma reflexão acadêmica capaz de mudar atitudes.

Quando os alunos conhecem uma realidade diferente daquela em que estão inseridos, refletem sobre como são capazes de realizar mudanças, ainda que pequenas. A ação de cidadania é gerada construindo-se reflexos para toda a vida. Assim, o CIMAN promove esse projeto com foco na construção de cidadãos conscientes do seu papel como agentes transformadores socialmente.

Não se pode deixar de lado os objetivos práticos da ação. O apoio financeiro junto à instituição beneficiada é enorme. Os alunos destinaram parte da arrecadação da gincana escolar para a Creche Alecrim. Foram repassados produtos de limpeza, alimentos e roupas. Outro ganho material foi baseado na prática da comemoração de festas junto às crianças da creche, entre elas a Páscoa, o Dia da Criança e o Natal, com presentes especialmente preparados para cada uma delas.

Alunos do CIMAN em visita à Creche Alecrim

Público-alvo atingido:

 

Essa prática envolveu toda a escola, embora o ponto de partida tenha ficado por conta dos alunos dos 9os anos. Eles visitaram as demais salas de aula da escola arrecadando material de suporte para as festas e atividades a serem desenvolvidas. Esses mesmos alunos foram agentes de transformação também em suas casas, envolvendo suas famílias na busca por recursos financeiros, suporte emocional e apoio de tempo para os atendidos da Alecrim.

 

Para ler o case completo, clique aqui!

As inscrições do PNGE 2019 estão abertas e vão até 31/01/19.

Garanta a participação gratuita de sua instituição pelo site: www.humus.com.br/pnge