ARTIGOS

Gestão de Pessoas

Por que é tão difícil aceitar que os adultos precisam aprender?

Denis Drago_edited.jpg

Minha origem profissional é administração de colégios. Durante alguns anos me limitei a fazer trabalhos operacionais em escolas, como fotocópias, encadernações, montagem de provas, atendimento de telefone, portaria, conferência de carimbos em carteirinhas, datilografia de documentos contábeis, secretaria escolar e outros.

Os primeiros anos foram compartilhados com colegas de trabalho mais experientes, que sabiam como operacionalizar cada área da empresa, usando técnicas que eles aprenderam, adaptaram ou inventaram. A simples montagem de uma prova exigia técnicas de recorte e colagem que não são ensinadas no Ensino Fundamental (anos em que mais usamos tesoura e cola), e eram produzidas cópias livres de sombras de colagens tortas ou mal feitas.

Em muitas empresas que trabalhei (todas do setor educacional), não havia sistemas formais de educação de adultos. Aprendia quem queria, e se perguntasse para alguém.

E por que não havia educação de adultos?

 

Chamo de educação de adultos porque não gosto de nomenclaturas pomposas que representam o mesmo, como capacitação de colaboradores ou treinamento de funcionários.

Depois de algumas décadas me dedicando a projetos de educação de adultos, resolvi estudar mais sobre o fracasso desse processo em empresas. Cheguei a 2 conclusões:

 

1 – As escolas não querem educar

Não querem porque consideram que toda contratação deve ser feita com profissionais prontos para entrar e agir imediatamente, quase como um processo de simbiose instantânea entre o histórico educacional, profissional e pessoal do recém contratado e o modo de trabalho, os objetivos estratégicos e os valores da escola.

Isso ocorre por alguns motivos:

·         As contratações não são planejadas.

·         Não há banco de profissionais com perfil adequado aos cargos com maior rotatividade.

·         Não há conhecimento das competências que os profissionais precisam ter para desenvolver suas tarefas e cumprir suas responsabilidades.

·         O processo de seleção não avalia a distância entre o status atual de conhecimento técnico e comportamental do contratado e o desejável para o cargo.

·         Não há treinamento prévio mínimo pronto para aplicação imediata.

·         Há a certeza que o salário deve pagar o tempo de trabalho, e não de estudo do funcionário.

Esses e outros motivos são usados com frequência pelas escolas, mesmo de maneira indireta.

 

2 – Os funcionários não querem aprender

Todos nós sofremos durante 14 anos de escola básica, mais alguns anos no Ensino Superior. Na escola, em geral, o momento mais chato é a aula. Em um local que promove a reunião de pessoas da mesma idade, em grupos que compartilham o mesmo interesse, o aluno precisa ficar cerca de 80% do tempo sentado, quieto, virado para frente e sem falar com ninguém (mesmo que o aluno do lado seja o mais chato da escola).

Em um grupo com crianças e adolescentes, exigir que eles se comportem dessa maneira é tratá-los de forma incoerente com seu desenvolvimento intelectual e social. Mas nós todos fomos tratados assim. Talvez por isso as portas das escolas fiquem lotadas de alunos conversando em momentos de entrada ou saída (todos têm pressa de sair da escola para ter a liberdade de se socializar).

Quando crescemos e começamos a trabalhar, a última ação que gostaríamos de fazer é aquela velha educação novamente. Estudar significa, para a maioria das pessoas, um ato penoso, que remete ao sofrimento de aprender conteúdos que temos certeza que nunca usaremos em nosso dia-a-dia.

Esse bloqueio é corroborado com os processos educacionais tradicionais que algumas escolas levam para seus funcionários. Não podemos educar o adulto da mesma maneira que educamos as crianças, e não devemos educar as crianças como, na maioria das vezes, nós educamos.

Se as escolas não querem ensinar os adultos e os funcionários não querem aprender, qual a saída?

 

Denis Drago é Sócio-proprietário da LDrago Inteligência Educacional, Pedagogo, pós-graduado em gestão de empresas e quase mestre em administração, comunicação e educação. Ele será palestrante no EDUMKT: Estratégias de Sucesso para Captação e Permanência de Alunos que será realizado nos dias 01 e 02 de junho. Inscreva-se!