ARTIGOS

Inovação/Tecnologia

Saiba como investir em tecnologia

Guilherme Camargo.jpg

Investir em tecnologia educacional deixou de ser uma opção e passou a ser padrão, especialmente por termos tecnologias permeando todos os processos da escola no uso cotidiano de colaboradores a estudantes, inclusive dentro de sala de aula. 

Um projeto de tecnologia bem planejado e executado tem o poder de transformar esses usuários comuns em protagonistas, proporcionando novas formas de criar, aprender e ensinar, dando significado ao uso da tecnologia.

Adotar tecnologias educacionais também é uma necessidade do ponto de vista de posicionamento no mercado. A concorrência entre as instituições de ensino nunca esteve tão acirrada, uma vez que os responsáveis estão cada vez mais atentos às inovações, que foram aceleradas em decorrência da pandemia.

 Observando as expectativas sociais atuais, as necessidades de desenvolvimento adequado para um futuro promissor, os ganhos pedagógicos e sustentáveis e as vantagens competitivas que o uso da tecnologia proporciona, o que considerar neste momento?

 Se a sua reflexão estiver ligada a questões financeiras, vamos ajudar a desmistificar alguns pontos. Existem valores tangíveis e intangíveis quando falamos da adoção de tecnologia na escola: 

 O ensino-aprendizagem é potencializado por meio da qualidade de dispositivos e softwares, pelo desenvolvimento profissional de educadores e por uma gestão baseada em dados para controle total e assertivo dos processos;

 Experiências digitais, inclusive as que ultrapassam os limites físicos das salas de aula, trazem mais engajamento e motivação ao ensino-aprendizagem, fazendo aumentar significativamente o índice de aproveitamento dos estudantes;

 As vantagens acima apresentadas atraem maior interesse para as decisões de novas matrículas e retenção de alunos, promovendo diretamente maior retorno financeiro.

 O QUE É CUSTO DE TECNOLOGIA EDUCACIONAL?

 Muitas escolas, sem o apoio de um planejamento adequado, acabam fazendo contas e escolhas equivocadas, que acabam por prejudicar o seu projeto de tecnologia e planejamento pedagógico.

 Muito mais que equipamentos e conexão com internet, em tecnologia educacional os custos envolvem o desenvolvimento de projetos pedagógicos inovadores (com autonomia, protagonismo, personalização e inclusão, por exemplo), desenvolvimento profissional de professores, aquisição de dispositivos e softwares de qualidade, configuração e manutenção de equipamentos, estrutura digital (conectividade, wi-fi, cabos, tomadas), suporte e acompanhamento técnico-pedagógico, além da adoção de protocolos de privacidade e segurança de dados, entre outros.

 O sucesso e a garantia de retorno sobre o investimento estarão ligados à eficiência de todas essas etapas, que devem ser consideradas como parte de um todo. Por isso é importante buscar por tecnologias que tragam benefícios em todos os sentidos, no administrativo e pedagógico, e não só no financeiro.

 Métricas como TCO (Custo Total de Propriedade, ou Total Cost of Ownership, em inglês) e ROI (Retorno Sobre o Investimento) são grandes aliadas para o entendimento de que tecnologia pode ser um investimento e proporcionar retornos financeiros. 

 O TCO permite fazer uma avaliação dos custos, indo além do valor de compra inicial. Em tecnologia, o preço real do produto só pode ser obtido após determinado tempo, pois ele na verdade inclui, além da compra dos hardwares e softwares, todos os investimentos que são necessários à implementação, como: infraestrutura, manutenção, suporte, segurança, gerenciamento, licenciamento de softwares, customização, integração, consumo de energia e, em muitos casos, custos de descarte. Os custos com implementação podem representar de 80% a 90% do total do investimento.

 Um fator também importante a considerar é o valor de depreciação do dispositivo, pois as tecnologias precisam ser atualizadas constantemente. 

 Outra métrica, o ROI (Retorno Sobre o Investimento), também é grande aliada, pois permite que as lideranças façam uma avaliação sobre o retorno financeiro obtido, indo muito além do valor da aquisição. Ou seja, essa métrica possibilita ao gestor saber quanto a instituição teve de retorno com o investimento realizado e sua fórmula é simples:

 ROI = (receita gerada – custos e investimentos) / custos e investimentos

 O ROI é útil para medir o retorno financeiro e pode ser aplicado em muitos contextos, por exemplo, para calcular a efetividade de treinamentos das equipes, implementação de sistemas e adoção de tecnologias, entre outros.

 Concluindo, na implementação de tecnologias educacionais é necessário considerar todo o valor agregado, assim como as métricas de avaliação devem ser aplicadas a médio e longo prazo para que possam, de fato, indicar qual é o melhor investimento. A decisão pela tecnologia ideal deve ser bem desenhada e estar também em sintonia com as expectativas da comunidade escolar.

 Não existe “fórmula pronta”, mas a personalização do projeto e a sua execução com eficiência podem levar ao sucesso, pois atenderão às necessidades pedagógicas, técnicas e financeiras da instituição.

 Veja no e-book “Como investir em tecnologia na minha escola?” informações sobre tudo o que você precisa saber para uma decisão segura. Sejunta com a gente!

ebook SEJUNTA.png

Guilherme Camargo é Fundador e CEO da empresa de educação Sejunta Tecnologia. Ele foi palestrante no VII Fórum de Líderes Educacionais, durante o GEduc 2022!