Nesta edição do HUMUS News temos o prazer em compartilhar a prática do ensino superior, classificada como ouro, na categoria Gestão Administrativa e de Comunicação: “PEC – Programa de Excelência em Captação”, da UNICESUMAR:

 

 

 

 

HISTÓRICO DA PRÁTICA EFICAZ: A UNICESUMAR – Centro Universitário Cesumar, é uma instituição de ensino superior consolidada com 27 anos de história, reconhecida nacionalmente e presente em todos os estados brasileiros por meio dos 3111 Polos de Apoio Presencial, superando a marca de 100 mil alunos (graduação, pós-graduação e nos programas de mestrado). Em 2006, obteve a conquista do Credenciamento da Educação a Distância (EaD) para oferta de cursos de graduação e pós-graduação. Deste ano até 2014 a instituição tinha 54 Polos de Apoio Presencial entre eles próprios e parceiros. Mas uma das preocupações da UNICESUMAR frente aos Polos naquele momento era a falta de padronização do atendimento dos tutores de Polos, o que impactava nos resultados institucionais. Com a crescente expansão a partir de 2014 com expectativas para obter 500 Polos até o ano de 2019 a EAD UNICESUMAR passou por um procedimento de mudança organizacional para dar suporte aos Polos que viriam a serem inaugurados pelo Brasil, sempre com o intuito de levar conhecimento científico de qualidade. Neste mesmo ano alguns cargos e setores foram instituídos pela Diretoria de Educação a Distância que então assumiu a Pró-Reitoria do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e consagrou a Diretoria de Mercado, a Diretoria de Polos, a Diretoria de Relacionamento e a Diretoria de Desenvolvimento além das Diretorias Pedagógicas que com funções específicas e compartilhadas atuam permanentemente com a missão de “promover a educação de qualidade nas diferentes áreas do conhecimento formando profissionais cidadãos que contribuam para o desenvolvimento de uma sociedade justa e solidária”. Para que mantivéssemos a qualidade UNICESUMAR a Diretoria de Mercado propôs a Pró-Reitoria uma análise por meio de “cliente-oculto” do atendimento dos tutores nos Polos. O que oportunizou a contratação de uma empresa específica de São Paulo para diagnosticar a nossa qualidade de atendimento na ponta. A instituição tinha noção de que os atendimentos não eram padronizados e aconteciam de diferentes formas nas unidades, o que se comprovou com os resultados negativos apresentados pela empresa contratada. Esse resultado impactou na Reitoria da UNICESUMAR e foi então que a Diretoria de Mercado, a Diretoria de Polos e Diretoria de Desenvolvimento reuniram-se e lançaram o Programa de Excelência em Captação (PEC). O Programa iniciou em 2014, sendo um método padronizado para atendimento aos candidatos da EAD UNICESUMAR. O Programa colaborou no alcance de alto índice de qualidade e expansão quantitativa, demonstrado pelos diversos tipos de avaliação, inclusive dos conceitos instituídos pelo Ministério da Educação (MEC) como, por exemplo, no Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE), no qual é classificada pelo indicador Índice Geral de Cursos (IGC) com nota 4 em uma escala de 1 a 5, por 7 anos, o que a posiciona entre os 4% das melhores do Brasil. A Instituição se consolidou e se tornou reconhecida pela qualidade e credibilidade.

 

OBJETIVOS DA PRÁTICA EFICAZ: O objetivo do Programa de Excelência em Captação (PEC) é dar suporte aos Polos de Apoio Presencial da Educação a Distância (EAD) da UNICESUMAR, com ferramentas modernas e estratégicas que auxiliem na captação de novos alunos. O PEC disponibilizava em 2014, no seu lançamento “8 passos de venda”. Atualmente está na sua 5ª versão e apresenta “4 passos de venda”, mantendo como objetivo nortear o polo no atendimento prestado aos candidatos, desde o momento que ele chega ao polo até a efetivação de sua matrícula, com o pagamento da primeira mensalidade.

 

PÚBLICO ALVO ATINGIDO: O público atingido inicialmente pelo Programa são os tutores de Polos de Apoio Presencial contratados pelas unidades. Esses profissionais assim que contratados recebem treinamentos e materiais consistentes elaborados pelas Diretoria de Mercado, Polo, Desenvolvimento e também de Marketing com a intenção de instrumentaliza-los e muni-los de informações referentes a EAD UNICESUMAR. Posteriormente o candidato é o alvo, pois o Polo executará o atendimento padrão para a conversão de matrículas.

 

Para ler o case completo, clique aqui!

 

 

 

O Colégio Israelita Brasileiro também se destacou no PNGE 2018 e levou o prêmio ouro com a prática “EPP - Escritório de Projetos e Processos”, na categoria de Gestão Acadêmica.

 

 

 

HISTÓRICO DA PRÁTICA EFICAZ: O Colégio Israelita Brasileiro é uma instituição educacional sem fins lucrativos, que atende preponderantemente a comunidade judaica portoalegrense. A escola nasceu há 95 anos, no andar térreo da Sinagoga União Israelita, na Rua Barros Cassal, Bairro Bom Fim – tradicional reduto dessa comunidade. Surgiu da preocupação dos imigrantes judeus em dar a seus filhos uma formação no qual os valores e costumes não se perdessem à medida que o grupo ia participando da vida em uma sociedade plural. Hoje o Colégio Israelita Brasileiro é uma destacada escola de Educação Infantil (atendendo crianças a partir de 1 ano de idade), Ensino Fundamental e Ensino Médio do Estado do Rio Grande do Sul. Conta com cerca de 767 alunos, 109 professores e 60 funcionários. Das 549 famílias com filhos na Escola, 23,45% não pertencem à comunidade judaica; 28,57% são provenientes de casamentos entre judeus e 47,98% de casamentos mistos (Judeu/Não Judeu). 28,27% dos alunos recebem o benefício de bolsas de estudos parciais ou integrais. São três os pilares da marca, “Colégio Israelita Brasileiro”: Judaísmo, Excelência Acadêmica e Gestão. Esses três pilares norteiam o Projeto Político-Pedagógico da instituição. De acordo com Senge (2005), a maioria das escolas está se afogando em eventos, exigindo respostas cada vez mais imediatas. De uma criança que se fere no pátio até a necessidade de encontrar um professor substituto de última hora, os colaboradores têm se especializado em realizar trabalhos heroicos para resolver problemas. Com o Israelita não era diferente. O crescimento da complexidade dos processos e o estabelecimento da sociedade digital (PÉREZ-GÓMEZ, 2015) exigiam cada vez mais dos profissionais da Escola saber como lidar com as novas maneiras de trabalhar no ambiente escolar. Em 2009, o primeiro movimento foi realizado: uma consultoria da Faculdade de Engenharia de Produção da UFRGS foi contratada para auxiliar no mapeamento de processos da organização, dentre os quais estava o processo de ensino (Anexo 7.7). Foi o primeiro contato dos professores com ferramentas de gestão com o objetivo de repensar o processo educativo vigente (PAULA et al., 2009). A partir desse ano, o Israelita também passou a contar com um estagiário de Engenharia de Produção, ex-aluno, que não apenas participou da atividade com a UFRGS, mas deu continuidade ao mapeamento de outros processos da instituição. Em 2010, devido à importância do assunto, a direção da escola incluiu na Universidade Corporativa do Colégio Israelita Brasileiro (UniCCIB) a disciplina de Gestão Integrada de Projetos e Processos, ministrada por um professor-doutor da Engenharia de Produção da UFRGS. Participaram dessa disciplina 24 pessoas, não apenas professores e coordenadores, mas também membros da equipe administrativa (como assistentes de marketing, segurança e manutenção), com o intuito de integrar o máximo de colaboradores da escola em uma mesma linguagem de gestão da organização. A realização da disciplina e a presença do estagiário de Engenharia de Produção na Escola levou a direção perceber que se fazia cada vez mais necessária a criação de um órgão, departamento ou estrutura de apoio permanente que desse suporte à organização dos processos e projetos desenvolvidos no Israelita. Se os profissionais da Educação não tinham sido formados com esses conhecimentos, o novo órgão poderia auxiliar na estruturação das ideias vindas do pedagógico. É dessa forma, portanto, que se justifica a criação do Escritório de Projetos e Processos (EPP) do Colégio Israelita Brasileiro, que, em 2017, já completou 7 anos de duração.

 

OBJETIVOS DA PRÁTICA EFICAZ: O objetivo geral do EPP é ser um apoio em conhecimento técnico de gestão de projetos e processos para o setor pedagógico, isto é, para os cursos de Educação Infantil ao Ensino Médio. Os objetivos específicos são: 1. Constituir-se como um departamento oficial, institucionalizado na estrutura da escola, vinculado aos fluxos de trabalho rotineiros; 2. Reduzir a carga de trabalho administrativo do setor pedagógico; 3. Padronizar documentos de projetos e processos da escola; 4. Ser referência em organização e qualidade em relação aos projetos e processos da escola; 5. Formar os profissionais da escola nos aspectos de gestão de projetos e processos; 6. Centralizar os dados gerenciais da escola para geração de indicadores de desempenho.

 

PÚBLICO ALVO ATINGIDO: A tabela a seguir apresenta os públicos de interesse do EPP:

 

 

 

 

Na sequência, é explicada a forma de envolvimento com cada um dos públicos mencionados:

a) Professores: por acreditar que o professor precisa adquirir habilidades de pensamento sistêmico (SENGE, 2005) e de gestão de projetos (BUCK INSTITUTE FOR EDUCATION, 2008), o EPP auxilia os professores no planejamento de seus projetos, considerando a integração dos serviços de apoio essenciais para o seu desenvolvimento bem-sucedido. Quanto maior a frequência de trabalho com o EPP, maior a experiência e facilidade do professor em entender e trabalhar nesse sentido. b) Coordenação Pedagógica: o trabalho da coordenação se divide, basicamente, em tarefas pedagógicas (análise de provas e ementas, feedback para professores, etc.) e administrativas (organização de reuniões, impressão de documentos, etc.). O EPP se constitui como um serviço de apoio às coordenações pedagógicas no sentido de diminuir ao máximo suas tarefas administrativas, liberando tempo para a essência do trabalho, que é o pedagógico. c) Colaboradores: os membros do setor administrativo têm como função principal servir como apoio para que o setor pedagógico tenha suas atividades facilitadas, isto é, para que o processo de ensino seja possível. O EPP conecta ambos os setores de maneira que possam trabalhar juntos, falando a mesma linguagem e com comunicação constante. d) Direção: distante por vezes do cenário operacional da escola, a direção tem no EPP um braço tático que une os atores mais próximos da ação cotidiana com as decisões estratégicas da Escola. e) Famílias: são o termômetro na Escola quando algum processo interno não está organizado. As famílias são as beneficiadas diretas se a instituição escolar apresenta serviços bem planejados e executados, comunicando-se com antecedência e facilitando o trabalho de professores em suas atividades.

 

Para ler o case completo, clique aqui!

 

As inscrições do PNGE 2019 serão gratuitas e abrirão em breve! Fique atento(a)!

Para mais informações, acesse www.humus.com.br/pnge ou entre em contato pelo e-mail tamiris.pereira@humus.com.br