News PNGE 3 | humus

Nesta edição do HUMUS News temos o prazer em compartilhar a prática do Ensino Básico, classificada como ouro, na categoria Responsabilidade Social: “Centopeia”, do Colégio Mackenzie Tamboré:

 

 

 

 

HISTÓRICO DA PRÁTICA EFICAZ:

O Mackenzie tem a missão de “educar o ser humano para o exercício pleno da cidadania”. Sendo assim, está contida em nossos pressupostos a prestação de serviços à comunidade e a disposição para o trabalho voluntário. Dentro dessa perspectiva, o Colégio promove vários programas que consistem em uma série de projetos de ações solidárias que visam ao amparo a comunidades carentes e à diminuição das desigualdades sociais. Uma dessas ações é o “Projeto Centopeia”, que surgiu em 2015 como extensão de outro projeto institucional, o “Convivência Harmoniosa”, que tem por objetivo preparar as crianças e os adolescentes para o desenvolvimento de valores como empatia, solidariedade, respeito e amor ao próximo. Uma de nossas metas ao inserirmos nossos alunos como protagonistas de nossos projetos sociais é oferecer à criança e ao adolescente uma formação integral, aliando a educação acadêmica à construção de cidadãos que engrandeçam o mundo com sua presença, valorizando sua condição humana. O projeto Centopeia é uma ação concreta e o fruto dessa realização não consiste em uma atividade intelectual, mas em uma profunda reflexão por meio do pleno exercício de cidadania. O objetivo final do projeto é arrecadar calçados para serem doados a uma comunidade carente.

Para contextualizar a proposta, os alunos de 7º ano assistiram ao filme iraniano Filhos do paraíso, de Majid Majidi (1997), que conta a história de Ali, um menino de 9 anos proveniente de uma família humilde e que vive com seus pais e sua irmã, Zahra. Um dia, ele perde o único par de sapatos da irmã e, tentando evitar a bronca dos pais, passa a revezar com ela seus próprios sapatos na ida e vinda de ambos à escola. Enquanto isso, Ali treina para obter uma boa colocação em uma corrida, pois um dos prêmios da competição é justamente um par de calçados. Depois de assistirem ao filme e refletirem sobre os valores nele presentes, os alunos foram encorajados a liderar uma campanha social envolvendo todos os segmentos do Colégio, com o objetivo de captar calçados – pares de tênis, em especial – para uma instituição de caridade. Para atrair os doadores e motivá-los a participar da campanha, os alunos prepararam vídeos, fizeram cartazes, foram em todas as salas de aula do Colégio, e ainda visitaram casas e apartamentos nos bairros e condomínios onde moram. O Instituto Passe de Mágica foi à instituição escolhida para a entrega das doações, uma vez que lá são desenvolvidas atividades esportivas com crianças de seis a 17 anos que vivem situação de vulnerabilidade social e, assim como ocorre com os personagens do filme Filhos do Paraíso, há irmãos que compartilham o mesmo par de sapatos para frequentarem a escola.

 

OBJETIVOS DA PRÁTICA EFICAZ:

Captação de calçados e roupas esportivas.

 

PÚBLICO ALVO ATINGIDO:

Esse projeto foi de grande extensão, pois houve a participação de todos os alunos do Colégio, familiares e funcionários. Todos envolvidos para atendermos as 900 crianças do Instituto Passe de Mágica e seus familiares.

 

Para ler o case completo, clique aqui!

 

 

 

A Universidade Luterana do Brasil também se destacou no PNGE 2018 e levou o prêmio ouro com a prática “PDI - Participação Coletiva na Construção da Excelência Acadêmica e Administrativa”, na categoria: Gestão Acadêmica.

 

 

 

HISTÓRICO DA PRÁTICA EFICAZ:

A Universidade Luterana do Brasil - ULBRA, desde sua criação, tem buscado a excelência em sua atuação junto à comunidade regional e nacional. A gestão e o aperfeiçoamento de práticas desenvolvidas em uma Universidade multicampi1 requerem mecanismos sistemáticos e contínuos de coleta de dados da avaliação que, analisados e transformados em informações, possibilitam a projeção de ações em prol da qualificação institucional. Neste sentido, os resultados dos processos avaliativos oportunizam o planejamento e as proposições de ações de melhorias na Instituição. A efetividade do processo de avaliação, além de atender a regularidade perante o MEC, subsidia o desenvolvimento institucional, uma vez que a avaliação dos agentes envolvidos é insumo de análise para os diferentes processos acadêmicos e administrativos.

Os resultados da avaliação interna e externa, especificamente o processo de Recredenciamento Institucional realizado em dezembro de 2013 (ANEXO 04), possibilitaram a análise de indicadores de qualidade em sintonia com a realidade e exigência local. Esses indicadores sinalizaram pontos fortes e fragilidades que, analisados no ano de 2014, foram subsídios para a elaboração do novo Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI 2017-2022).

A elaboração do Regimento Interno da Comissão Própria de Avaliação (CPA) da Universidade, em 2014, possibilitou a dinamização de formas efetivas de participação da comunidade acadêmica nos processos, a partir de edital de candidatura e eleição dos membros dos segmentos representantes na Comissão, oportunizando resultados mais satisfatórios em relação ao ano anterior. A participação voluntária desses integrantes possibilitou que as equipes obtivessem maior engajamento e comprometimento, colaborando para o alcance dos objetivos gerais da CPA e da Autoavaliação Institucional que, articulados aos processos de planejamento (PDI), fortalecem tanto a cultura da avaliação, como o desenvolvimento institucional (ANEXOS 05 a 12).

O PDI, de acordo com o Artigo 16 do Decreto nº 5.773 de 09 de maio de 2006, configura-se em um documento que deve abordar a filosofia de trabalho, a missão, as diretrizes pedagógicas, a estrutura organizacional e as atividades acadêmicas desenvolvidas e/ou que pretende desenvolver. O PDI é um documento dinâmico por sua natureza e pressupõe a implantação de ações para a concretização de suas políticas. Não se trata de um documento pronto e acabado, mas um projeto em desenvolvimento, dentro de determinado período estabelecido. Para a revisão do Plano, em 2015, a instituição empreendeu o projeto para elaboração do PDI, ciclo 2017-2022. O posicionamento da ULBRA no Censo da Educação Superior 2015, no quesito de maior número de alunos matriculados na Graduação presencial e a distância, divulgado pelo Ministério da Educação, é uma demonstração do trabalho de toda a equipe administrativa e acadêmica. Dentro de um cenário nacional onde existem mais de duas mil instituições de Ensino Superior, estar na primeira colocação no Rio Grande do Sul e na 18ª no Brasil demonstra que a Universidade vem se reestruturando e se aprimorando cada vez mais, desafiando-a para processos permanentes de qualificação e inovação.

Nesta perspectiva que o PDI na ULBRA foi implementado. Em março de 2016 foi nomeada a Comissão do PDI pela Reitoria com representantes da Comissão Própria de Avaliação (CPA) e segmentos acadêmicos, com vistas ao desenvolvimento de diferentes etapas junto à comunidade acadêmica (a expressão dos anseios e expectativas), bem como a dinamização de um planejamento com ações significativas e articuladas aos propósitos institucionais. No decorrer do ano de 2016 o documento foi sistematizado e elaborado de forma colaborativa, sendo submetido e aprovado pelo Conselho Universitário (dezembro de 2016). Em 2017, oficializado o PDI (2017-2022), nomeou-se pelo Colegiado de Reitoria a nova Comissão de acompanhamento do mesmo. Em conjunto com a CPA a Comissão do PDI acompanha a execução do planejamento, subsidiando o alinhamento institucional para o alcance dos objetivos e metas propostos ao período vigente, através de ferramentas de gestão, como o PDIview. Esta ferramenta possibilita obter indicadores para a consecução das finalidades educacionais e a coerência entre a missão, objetivos e metas efetivamente realizados. O PDI, fazendo parte de um processo participativo e baseado na realidade, pressupõe revisões contínuas, de acordo com as demandas de otimização e adequação ao contexto acadêmico-administrativo e financeiro. As metas traçadas neste Plano, balizadas pelos seus princípios e valores, são as ações que a Universidade implementará para consolidar-se, até 2022, como Instituição de excelência acadêmica e administrativa.

 

OBJETIVOS DA PRÁTICA EFICAZ:

Implementar o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) junto à comunidade acadêmica na perspectiva de planejar, executar e avaliar os processos decorrentes da construção coletiva e participativa, com vistas a auxiliar na gestão, desenvolvimento e aprendizado organizacional. Para esta implementação considerou-se os seguintes aspectos:

  • Análise de avaliações internas e externas da Instituição;

  • Proximidade com os demandantes de sua oferta de produtos e serviços: alunos, empresas e instituições;

  • Compreensão do contexto socioeconômico, com vistas à oferta de cursos voltados às necessidades sociais e de mercado;

  • Caracterização do perfil do aluno universitário, das modalidades de aprendizagem e das tecnologias que apoiam os processos de inovação;

  • Articulação com os pressupostos (alinhamento) do perfil institucional, Planejamento Estratégico e Avaliação Institucional.

Tais aspectos, elementos basilares do diagnóstico, possibilitaram orientar as prioridades e/ou necessidades do PDI em face da situação atual à desejada. No cotidiano das práticas das diferentes instâncias de gestão, a dinâmica entre planejamento e avaliação efetivam os objetivos e metas da Universidade junto à comunidade. A ferramenta de gestão, PDIview, desafia esta dinâmica, bem como retroalimenta e aperfeiçoa as práticas institucionais. Nesta perspectiva, o protagonismo de cada agente educativo, em uma concepção formativa, busca transcender a abordagem técnica ou regulatória deste documento para o aperfeiçoamento pessoal, como institucional.

 

PÚBLICO ALVO ATINGIDO:

O desenvolvimento do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) envolveu a comunidade acadêmica da IES: Reitoria, Pró-Reitorias, CPA, Diretorias e Coordenadorias vinculadas às Pró-Reitorias, Diretores dos campi ULBRA, Coordenações Acadêmicas, Coordenações de Cursos, Docentes, Discentes (inclusive egressos), corpo Técnico-administrativo e Representantes da Sociedade Civil.

 

Para ler o case completo, clique aqui!

 

As inscrições do PNGE 2019 serão gratuitas e abrirão em breve! Fique atento(a)!

Para mais informações, acesse www.humus.com.br/pnge ou entre em contato pelo e-mail tamiris.pereira@humus.com.br