Gestão Educacional 31 | humus

ARTIGOS

Gestão Educacional

Educação 4.0 - A perspectiva finlandesa

A Finlândia é um país situado no norte da Europa: grande em território, mas povoado apenas por 5,5 milhões de pessoas. Os finlandeses são tipicamente caracterizados como pessoas sérias, tímidas, honestas e perseverantes. Projetar o próprio jeito de fazer as coisas é fundamentalmente esculpido na história finlandesa. A crença no poder da educação é outra característica da maneira finlandesa de organizar a nação. Toda a educação é gratuita, mas no nível universitário é muito competitiva, o que significa que realmente é preciso lutar por um local de estudo. A formação de professores é considerada, entre medicina, psicologia, direito, engenharia e negócios, como um dos campos de educação mais populares quando os jovens estão tentando encontrar seu lugar no mundo.

A estrutura educacional na Finlândia

A Finlândia tem sido extremamente bem sucedida na pesquisa internacional do PISA, os resultados de aprendizagem têm sido de alto nível e iguais em todo o país, independentemente da escola e região. Nossos filhos começam a pré-escola aos seis anos de idade e continuam sua trajetória educacional no ensino fundamental, dos sete aos dezesseis anos. O ensino fundamental de nove anos é obrigatório para todos. A creche antes da pré-escola também é organizada pelos municípios e toda criança tem acesso a ela. Depois de terminar o ensino fundamental, as crianças podem escolher cursar o ensino médio ou uma escola técnica. No entanto, ambos dão a possibilidade de continuar os estudos no nível universitário. Não há becos sem saída e os estudantes podem escolher entre uma Universidade de Ciências aplicadas ou a Universidade de pesquisa tradicional.

Na visão finlandesa de educação superior e pesquisa, estabeleceu-se uma meta de que a Finlândia será, até o ano de 2030, um país com força de trabalho experiente no mundo. Ao mesmo tempo, se estabelece a meta de que a quantidade de pessoas que concluirão o ensino superior seja de pelo menos 50% da população com mais de 15 anos de idade. 

 

Desafiando o antigo modo de educar

As primeiras universidades foram fundadas na idade média na França e na Itália, desde então muitas práticas permanecem as mesmas quando se trata de realizar tarefas educacionais. No entanto, o mundo hoje é totalmente diferente em comparação com a situação anterior. As diferentes revoluções industriais experimentadas durante os últimos 250 anos moldaram nosso ambiente, indústria e vida notavelmente. Agora a velocidade da mudança é maior do que nunca. A velocidade da mudança torna-se concreta quando se compreende que ainda existem professores ativos em escolas e membros do corpo docente de universidades que lembram o surgimento das primeiras calculadoras e microcomputadores. A mudança no ambiente de qualquer instituição de ensino é enorme quando se pensa sobre os problemas que estamos enfrentando hoje ou considerando todos os equipamentos disponíveis para ajudar no processo de ensino e aprendizagem. A informação é livre e facilmente acessível a todos, o professor não é mais a única fonte de informação para os alunos.

A Educação 4.0 que estamos experimentando agora refere-se às mudanças no setor educacional em resposta à Indústria 4.0 onde transformação digital está impactando as maneiras pelas quais o mundo do trabalho e nossas vidas diárias estão se tornando cada vez mais automatizados. Tornou-se possível que estejamos enfrentando alunos ou, às vezes, até mesmo crianças mais novas que adquiriram um conhecimento especial sobre um tópico de interesse para eles em um nível mais profundo do que o professor possui. Às vezes é difícil para os professores admitirem que precisam aceitar uma situação em que estão aprendendo com seus alunos. O papel do professor está passando por grandes mudanças e as antigas formas de realizar a educação precisam ser desafiadas. Aceitar e compreender novas demandas e encontrar formas corretas de atuar na profissão exige mais educação para os professores.Bons exemplos de boas práticas ajudam no importante trabalho que nossos professores de todos os níveis estão fazendo.

 

A educação é um tópico sobre o qual todos no mundo moderno têm experiência. Devido a isso, muitas pessoas pensam que, mesmo sem qualquer fundo teórico, sabem como o ensino deve ser realizado. O discurso se move em torno do ensino, embora a aprendizagem seja o conceito que realmente deveríamos estar interessados. Ensino descreve o trabalho de um professor, mas a aprendizagem é o processo do aluno e deve acontecer em todos os níveis de ensino. Há muita pesquisa sobre aprendizagem e sobre os aspectos que a influenciam. Apesar desses claros resultados de pesquisa, às vezes nos atemos às velhas formas de fazer as coisas. Uma boa pergunta é se consideramos sensato nos atermos a velhas formas de práticas como, por exemplo, na medicina, se uma cura melhor cientificamente comprovada estaria disponível? Às vezes isso ainda acontece na educação.

Qual é o objetivo na educação?

Desde o início do século 2000, a inovação tem sido um grande tópico no mundo. Sabemos que precisamos de inovações para enfrentar os problemas perversos do meio ambiente e da mudança climática. Precisamos de inovações para manter o crescimento econômico de forma sustentável. A população do mundo industrializado está envelhecendo e as possibilidades de robôs e redes virtuais devem ser exploradas. Inovações nascem como resultado da atividade humana, muitas vezes na superfície de diferentes domínios do conhecimento e precisamos de indivíduos inovadores para isso.É essencial, mas não o suficiente, ensinar e aprender o conhecimento profundo em um campo específico. Além disso, nossos alunos devem ser desenvolvidos como indivíduos inovadores durante o ensino educacional.

 

Na educação básica, nas escolas abrangentes na Finlândia, falamos de habilidades do século 21 pelo qual queremos dizer, pensar, aprender a aprender, competências culturais, incluindo habilidades de comunicação e autoexpressão, cuidar de si, incluindo as habilidades diárias, multiliteracias, competências em ICT, trabalhar habilidades para a vida, incluindo empreendedorismo e participação, com prontidão para construir um futuro sustentável. Na educação básica, o objetivo é produzir uma aprendizagem profunda e melhorar as habilidades metacognitivas do aluno, com foco no trabalho do aluno, enquanto o professor está atuando como diretor de aprendizagem.

 

O trabalho realizado na educação básica continua no nível universitário. O objetivo das universidades de ciências aplicadas é atuar em nível regional conectando as necessidades das empresas ao meio ambiente e a educação dada aos estudantes. O foco em habilidades necessárias na vida profissional direcionou o trabalho para o desenvolvimento de competências de inovação - pensamento crítico, criatividade, iniciativa, trabalho em equipe e trabalho em rede - como um objetivo da educação e como um pré-requisito para indivíduos inovadores. Na Universidade de Ciências Aplicadas de Turku, adotamos a pedagogia da inovação como princípio orientador de todo o trabalho realizado na universidade. Ao aplicar a pedagogia da inovação, acreditamos na criação de ambientes onde pessoas de diferentes disciplinas podem trabalhar juntas resolvendo problemas da vida real em um contexto de pesquisa, onde o empreendedorismo e o aspecto internacional estão presentes e onde os próprios alunos assumem a responsabilidade de aprender e ao mesmo tempo a liberdade na concepção de seus estudos.  O papel do professor é um papel preponderante no processo de aprendizagem e os métodos utilizados são desenvolvidos em conjunto com os docentes com o objetivo de ativar o aluno. 

 

Tudo é sobre aprender

O objetivo da educação é produzir resultados de aprendizagem e, através deles, causar impacto. A tarefa dos educadores é entender o que é necessário e depois encontrar as melhores maneiras possíveis para ajudar o aprendizado.  A tarefa de qualquer professor, em todos os níveis, deve ser ajudar os alunos a identificar seus pontos fortes, explorando seus talentos quando estiverem no início de seu caminho educacional. Ao longo dos anos na educação, eles devem ser direcionados para desenvolver ainda mais as habilidades em que são bons e motivados. Isso trará resultados muito melhores do que forçar todo mundo na mesma rotina.

 

Professores de todos os níveis estão em uma posição importante e o dinheiro investido na formação e treinamento docente dificilmente é desperdiçado. Compartilhar boas práticas e obter inspiração delas é valioso e de grande ajuda para os professores. Se você quiser mudar o comportamento dos estudantes, altere a maneira de avaliação. Se quiser alterar a avaliação, ensine aos professores novas maneiras de agir em sua profissão.

 

Dra. Liisa Kairisto-Mertanen, PhD. é Professora (Doutora) Executiva na área de inovação pedagógica da Turku University of Applied Sciences – Finlândia e será palestrante no GEduc 2019, durante o XVII Congresso Brasileiro de Gestão Educacional. Conheça a programação e faça sua inscrição pelo site www.geduc2019.com.br