Gestores de escolas brasileiras vão à Nova Iorque para conhecer a educação americana

Missão internacional contou com curso e visitas técnicas

O período de 06 a 16 de outubro de 2017 teve um sabor diferente para 20 dirigentes de escolas brasileiras dos quatro cantos do nosso país. Os estados da Bahia, Ceará, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Sergipe e São Paulo, além do Distrito Federal, foram representados por 14 instituições de ensino em uma missão internacional, chamada To BE Program – To Brazilian Educators, organizada pelas empresas HUMUS e Liaison America.

Com um misto de teoria e prática muito equilibrado, os temas trabalhados envolveram o funcionamento da escola americana (como é estruturada, currículo, formas de avaliação, testes nacionais e coletas de dados para acompanhamento do desempenho dos alunos e para tomada de decisões); o uso de novas tecnologias na sala de aula; o papel do líder escolar e modelos de gestão; STEM – programa especializado para desenvolvimento de Ciência, Tecnologia, Matemática e Engenharia; e Educação Especial – inclusão, trabalho com alunos com necessidades especiais e alunos avançados.

 

O suporte teórico se deu por meio de aulas na St. Bonaventure University, instituição particular fundada em 1858 e localizada no sudoeste do estado de Nova Iorque. Oferece graduações e pós-graduações em ciências, negócios, educação, jornalismo e comunicação de massa, com 2 mil estudantes matriculados. Os professores especializados nas temáticas envolvidas no curso deram subsídios para que os participantes pudessem aproveitar ainda mais a visita às escolas.

A parte prática da viagem aconteceu em instituições diversificadas e localizadas nos municípios de Buffalo, Olean e Salamanca.

City Honors School (Buffalo, New York) - www.cityhonors.org

 

Escola pública para estudantes de alta performance, sendo reconhecida como uma das mais excepcionais High Schools (escolas de ensino médio) dos Estados Unidos. Possui uma excelente colocação, com medalha de ouro, no National Rankings, que classifica os colégios com base em seu desempenho nos testes exigidos pelo estado e em como preparam seus estudantes para o ensino superior. Ensino de línguas – espanhol, chinês, francês.

Curiosidades sobre os alunos:

  • 10% estão dentro do espectro autista em um programa com professores especializados;

  • 90% fazem parte de um programa de aceleração de aprendizagem;

  • 8% são árabes;

  • 41% com renda menos privilegiada.

 

Global Concepts Charter School (Buffalo, New York) - www.globalccs.org

 

Um dos pontos mais altos desta missão internacional foi visitar este colégio e conhecer o funcionamento das Charter Schools, que são escolas públicas que adotam a lógica da gestão privada, sendo apontadas como principal referência de excelência no modelo de gerenciamento e uma grande tendência para o futuro da educação, inclusive no Brasil. Além disso, elas seguem o Common Core State Standards (CCSS), que é a base curricular comum americana, mas possuem autonomia na organização de um currículo mais criativo.

 

Na Global Concepts, que foi recentemente reconhecida pelo U.S. News como uma das melhores High Schools dos Estados Unidos, 83% dos estudantes vêm de situações econômicas mais difíceis, porém o financiamento do Estado por aluno é de apenas 70%.

A escola conta, atualmente, com 965 alunos e 64 professores. 32% do corpo discente é formado por islâmicos e 8% por espanhóis, com aulas em seu próprio idioma.

 

Além das aulas padrão, lá há classes de STEM e Atividades Domésticas.

 

Neste link você encontra a matéria realizada pela instituição a respeito desta visita:

http://www.globalccs.org/news/article/current/2017/10/16/100033/world-tour-visits-global-concepts

 

Emerson School of Hospitality (Buffalo, New York) - www.buffaloschools.org/Emerson.cfm

 

Escola pública do tipo técnica, focada em hotelaria e padaria, na qual os alunos a partir do 10º ano são responsáveis pelo restaurante da escola e outro aberto ao público local.

 

85% dos alunos, apesar do ensino prático, cursam também universidade.

 

Olean City School (Olean, New York) - www.oleanschools.org

 

A Olean City School é uma comunidade pública de excelência centralizada no estudante, na qual todos os membros são desafiados a aprender, realizar, contribuir e inovar.

 

Seguindo as pesquisas do neozelandês John Hattie, diretor do Instituto de Pesquisas em Educação da Universidade de Melbourne, que não observa eficácia na prática da lição de casa, esta escola trabalha apenas com leitura no período fora da escola.

 

Utilizam e-books a partir dos 8 anos e a Flipped Classroom como recurso educacional.

 

Salamanca City Central School (Salamanca, New York) - www.salamancany.org

 

Salamanca Junior/Senior High School é a única escola que possui High School (ensino médio) no Distrito Escolar da Cidade de Salamanca. Ela presta serviços aos estudantes da Seneca Nation of Indians e possui 41% de suas matrículas para minority (pessoas negras, estrangeiras e indígenas), sendo que os indígenas perfazem 20% do total de alunos.

 

Dado o público, no colégio há ensino de língua Sêneca, tradições culturais e religiões indígenas.

 

Archbishop Walsh Academy (Olean, New York) - www.stcswalsh.org

 

A Archbishop Walsh Academy é uma escola secundária particular católica romana que atende estudantes dos estados de Nova Iorque e Pensilvânia, sendo que 30% de alunos são de intercâmbio.

 

No mesmo campus, funciona também a Southern Tier Catholic School, que é uma escola de Educação Infantil com abordagem Montessori.

 

Apesar de ser uma instituição católica, 50% dos alunos são de outras religiões. O aspecto do respeito e da democracia está pautado em todas as práticas.

 

 

Além das escolas, o grupo conheceu o Challenger Center, um Projeto da NASA no qual pôde ser vivenciado o uso de tecnologia no estudo de STEM.

 

Lá, estudantes participam de missões simuladas onde atuam juntos para executar experimentos práticos e resolver problemas. Todo aluno tem um papel a desempenhar para tornar a missão um sucesso, criando confiança em suas próprias habilidades e desenvolvendo o trabalho em equipe.

Em resumo, foi uma viagem completa e muito inspiradora, com grandes contribuições para o aprimoramento contínua das nossas escolas!

Realização