Curso Internacional 2015 | humus

CURSOS INTERNACIONAIS

2015

O alto desempenho da educação chilena

Gestores em educação têm buscado aperfeiçoar suas diretrizes e caminhos para uma educação de melhor qualidade. De uma maneira ou de outra, as escolas particulares se encontram em competição acirrada, cientes de que não é mais possível improvisações, um fazer pelo fazer, muito menos remediações caseiras para seus impasses e dificuldades cotidianas. O fazer pedagógico da escola vem exigindo cada vez mais que seja um trabalho forjado em competências, ações colaborativas e o exercício de liderança – elementos essenciais para se atingir êxitos, fidelizar sua clientela, concretizar sua missão e os objetivos que defende. É preciso garantir a melhoria de práticas que atendam as demandas do mundo atual, que despertem motivações, encantamentos e entusiasmos, não só na atuação do gestor, mas também quanto à de seus colaboradores diretos e docentes. Sendo assim, compromisso e liderança são palavras-chave no exercício da gestão.

A HUMUS Consultoria, interessada em promover uma atualização profissional capaz de contribuir com mudanças e aprimoramento da gestão de mantenedores, diretores, coordenadores pedagógicos e assessores que atuam, sobretudo, no campo da educação básica, realizou mais uma viagem cultural e de estudo. Neste 2015 foi escolhido o Chile, país da América Latina com melhor classificação a nível internacional. O contato direto com a PUC-Chile favoreceu a participação do Programa Avançado em Direção e Liderança Escolar, acrescido de uma visita a um Colégio de renome. Houve ainda o contato com diretores de outras quatro melhores escolas, no ranking chileno e da capital Santiago, para uma visitação detalhada, proporcionando contato mais direto com suas respectivas propostas pedagógicas.

No dia 28 de setembro último, um grupo de 15 profissionais de educação, coordenado pela diretora geral da HUMUS Sonia Simões Colombo, iniciou sua primeira visita ao Santiago College, com o acompanhamento do diretor acadêmico do Programa citado e chefe do curso de Mestrado da PUC/Educação, Paulo Volante.

O grupo foi recebido pelo diretor do Colégio que informou como surgiu esta instituição bilíngue. Tem 135 anos e se instalou no campo atual nos anos 90. Tem uma área privilegiada (110 mil metros quadrados); possui 13 blocos edificados em dois andares que ocupam um espaço de 47 mil e 500 metros quadrados. É uma organização sem fins lucrativos, fazendo parte dos 10% das escolas particulares. Segundo o modelo chileno, as públicas correspondem a 45% e os outros 45% pertencem às subsidiadas ou mistas: pais e governo as sustentam. No total, o país possui 12 mil escolas. É um colégio laico, tendo como pilar da Instituição o espírito de serviço e a busca de excelência. Ante a preocupação com a educação feminina, em 1970 ele se torna misto. Hoje possui 1821 alunos. Sua obra arquitetônica é ímpar, somada a uma sólida proposta pedagógica que promove bons resultados no PSU (Prueba de Selección Universitária), exame seletivo nacional. Foram apresentados seus três programas, correspondentes da pré-escola ao médio: PEP – ensino que abrange até o 5º ano, com base curricular dada pelo ministério e, desde aí, é transdisciplinar, baseando-se em indagações que vão além do conteúdo disciplinar; PAI – ensino do 6º ao 10º ano, também considerado básico; e o DIPLOMA – referente aos quatro anos de ensino médio, sendo os dois últimos mais específicos. A partir do 6º ano até o 2º do médio, os alunos se empenham em uma monografia como projeto pessoal, com escolha livre do tema. Tem o acompanhamento de um orientador, mas o que vale é a autonomia do aluno, avaliado em suas habilidades cognitivas e no percurso dessa monografia, que se encerra no 2º médio. Em 1982 o Colégio adotou o programa IB (International Bachearelatto – origem País de Galles) – não sendo o único no Chile –, sofrendo algumas adequações. Além de serem preparados para ele, seus professores devem se autoaperfeiçoar. A comunicação entre alunos e professores é em inglês. Há uma especial atenção aos pais, que possuem um centro de representação, bem como o de alunos. Após a explanação, o grupo HUMUS foi dividido de acordo com o interesse pessoal por uma disciplina para entrar em sala de aula, tendo 15 minutos para assisti-la, conhecendo, assim, um pouco de sua dinâmica. Logo após, outras dependências, como a biblioteca, refeitório e áreas esportivas: campos gramados, quadras cobertas, piscinas, espaços poliesportivos.

No dia 29 iniciou-se o curso na PUC, apresentado em período integral. A acolhida foi feita por Paulo Valente, que abordou o efeito organizacional e o papel da liderança em processos e resultados educativos. Trouxe marcos para uma boa direção e liderança escolar: valores, competências e conhecimentos profissionais. Em seguida, a primeira palestra do 1º módulo do curso, Direção estratégica e Sistema escolar do Chile, ficou a cargo de José Antonio Le Fort Sáez: antropólogo, psicólogo e profissional ligado à área de Avaliação da Agência de Qualidade da Educação. A segunda palestra foi proferida pelo sociólogo, professor da Faculdade de Educação e investigador do Centro de Estudos de Políticas e Práticas em Educação, Alejandro Carrasco. Ambos discorreram sobre os contextos educativos chilenos a partir dos anos 80 ao séc.XXI, com a criação de leis que asseguram a qualidade e a melhoria contínua da educação. No período da tarde, teve início o 2º módulo: Gestão acadêmica de excelência. A primeira palestrante foi Bernardita Precht, atual chefe de área de Linguagem no Santiago College. Evidenciou que o foco da educação é a aprendizagem. Deu extrema importância à observação de aula, pelo gestor, e ao professor como ator principal da análise dos resultados do aluno. A 2ª palestra coube à Maria José Zañartu, professora de História e Geografia e diretora acadêmica de uma Rede de 800 professores. Tratou de algumas ferramentas para a educação de qualidade e a liderança efetiva. Trouxe a questão da observação do desempenho do professor e do aluno, bem como o poder da reflexão: indispensável para a análise das práticas pedagógicas.

No dia 30 deu-se sequência ao curso com a palestra do 3º módulo, Práticas de liderança instrucional. Todo o conteúdo da manhã foi apresentado por Magdalena Müller, mestre e doutora em psicologia, especialista em transtornos específicos de aprendizagem; atua como chefe do Sistema de Práticas, e com intervenções de Tonia Razmilic, docente do Departamento de Currículo, Tecnologia e Avaliação da instituição. Consideraram que a liderança é o exercício da influência, e o seu foco é a aprendizagem do aluno. Também esclareceram a importância da observação da sala de aula, como uma ferramenta de coaching pedagógico. O 4º módulo, Gestão de melhoria em organizações escolares, ficou a cargo de Júlio Sagües Hadler, consultor de estabelecimentos educacionais e coordenador da disciplina Direção e Liderança Educacional do Mestrado em Educação da PUC. Explicitou que a escola deve ser o centro de mudanças, o que requer tempo e recursos, e por sua vez afeta processos e práticas pedagógicas. Em sequência, Luis Valenzuela fez uma breve palestra abordando a Plataforma de iniciativas de melhoria escolar da PUC. Após a sua fala, o professor Paulo pediu uma avaliação do curso e reforçou a ideia da melhoria escolar. Ao final da tarde, o grupo HUMUS participou de um coquetel, ocasião em que cada um dos integrantes recebeu o certificado ao som de canções, entre elas, brasileiras e chilenas.

No dia primeiro de outubro tiveram início as visitas oficiais a duas escolas que fazem parte dos primeiros lugares no ranking de Santiago: pela manhã, Colegio Cordillera de Las Condes, que pertence à ordem católica Opus Dei, tem 34 anos de fundação e um total de 864 alunos, do ensino infantil ao médio. Recepcionado pela direção, o grupo HUMUS teve o convite para assistir a apresentação de alunos do ensino médio, que estavam se preparando para um concurso de banda musical: cantaram e tocaram uma canção chamada “Cierra la muralla”. Houve uma acolhida significativa da parte do diretor e de alguns professores que se empenharam em responder todas as perguntas. Alguns aspectos interessantes: as famílias são numerosas, sendo os pais a prioridade e não os alunos; não há rotatividade de professores; forte presença dos valores cristãos; os objetivos são transversais; fazem uso do cinema e da leitura de livros de literatura para contribuir na formação da personalidade dos alunos; tendência construtivista na proposta pedagógica; as crianças são protagonistas da aprendizagem. A instituição pertence à rede de colégios SEDUC - mantenedora.

No período da tarde, foi a vez da Redland School que tem 50 anos de fundação. É uma escola que também adotou o programa IB. Recebe crianças a partir dos quatro anos de idade e é mista. Perfazem um total de 840 alunos. Seu diretor atual e alguns membros da coordenação são ingleses. A fala coloquial e em aula entre docentes e estudantes é na língua inglesa, mas entre os alunos permite-se a comunicação em espanhol. Há preocupação com o desenvolvimento da espiritualidade e sua missão aspira que sejam crianças e jovens felizes. Não há diferença no valor da mensalidade qualquer que seja o nível escolar. No ensino médio os alunos podem escolher, além do currículo básico definido pelo Ministério da Educação, entre seis disciplinas para complementar sua formação acadêmica. Há forte empenho no atendimento aos pais. Estes devem participar, além de uma reunião geral, de encontros com temas escolhidos por eles ou pela escola; sempre com profissionais experts no assunto. Após a explanação sobre a proposta pedagógica, o diretor pediu a divisão dos brasileiros em pequenos grupos para que alguns alunos apresentassem os recintos do colégio, ideia bem interessante porque possibilitou o contato próximo com eles e a percepção de como se sentem nesse espaço. Em conversas posteriores, todos notaram que os jovens foram atenciosos, respondendo às questões espontaneamente e expressando alegria por pertencerem à escola.


Curso na PUC-Chile

No dia 02 deu-se continuidade às visitas. Primeiramente, no Colégio Tabancura, exclusivamente masculino, também da ordem Opus Dei. A instituição tem 45 anos. Seu diretor evidenciou os três princípios fundamentais: 1. Educação dos pais – ajudá-los a assumir a responsabilidade, com mútua colaboração; 2. Educação dos professores – aperfeiçoamento de sua atuação, não só em sua disciplina, mas para assumirem tutorias e acompanharem a aprendizagem e as atitudes sociais dos estudantes; e 3. Educação dos alunos – preocupação como cada um trabalha nas atividades e como convive no grupo. Existe um Conselho Diretivo, com presença de três profissionais responsáveis em cada ciclo. Também há um inspetor que cuida mais do atendimento às regras. Depois de uma explanação sobre a proposta pedagógica, houve um passeio pelas suas dependências, desde as confortáveis e amplas salas da educação infantil. Neste Colégio há um forte apelo às atividades esportivas. O encontro foi finalizado com um convite ao grupo para participar de uma Missa na capela do Colégio.

Em seguida, ocorreu a visita ao Colégio Los Andes, exclusivamente feminino. Houve uma acolhida bem afetiva da diretora e de suas coordenadoras que explicitaram a proposta pedagógica. O total de estudantes está em torno de 900. Como nos colégios anteriores, foi evidenciada a presença dos pais como ponto crucial, visando o desenvolvimento integral das alunas. A formação humanista e o atendimento a programas sociais partem de projetos de solidariedade, com presença das mães. Cada estudante possui uma professora titular para acompanhar seus estudos e orientar seu projeto de vida. No ensino médio há uma preocupação com temas de atualidade para a evolução do pensamento crítico. Chamou a atenção, neste colégio, a sala específica para os professores de uma mesma área.

Em síntese: a visita às escolas particulares chilenas mostrou aspectos comuns: grande preocupação em envolver os pais em sua proposta, tendo a maioria dos docentes carga horária exclusiva. Também possibilitou ao grupo HUMUS uma ótima visão das práticas educativas, do programa pedagógico e de suas respectivas organizações internas. Cada colégio, sem nenhuma arrogância ou exibicionismo, deixou claro o tanto que se esmera, é persistente e crítico, sobretudo, quanto ao acompanhamento dos pais no desenvolvimento de seus filhos e à melhoria na atuação de seus docentes, com especial atenção ao professor novato. Ficou visível a seriedade, o comprometimento e o empenho de cada um, procurando dar o seu melhor em prol de uma educação de qualidade a seus estudantes.